Papel de parede volta de Jesus
"ENTREGA TEU CAMINHO AO SENHOR, CONFIA NELE E O MAIS ELE FARA".
SALMOS 37.5

sábado, 21 de janeiro de 2017

O REAVIVAMENTO PROMOVIDO PELA PALAVRA DE DEUS

A Reforma do século XVI foi uma volta às Escrituras. Essa volta à palavra de Deus produziu mudanças profundas na vida da igreja e trouxe um poderoso reavivamento.

O Salmo 119, sendo o maior capítulo da Bíblia, trata da excelência da palavra de Deus e de seus benditos efeitos em nossa vida. Destacaremos, aqui, a relação entre a palavra de Deus e o reavivamento.

EM PRIMEIRO LUGAR, REAVIVAMENTO E RESTAURAÇÃO
(Sl 119.25). “A minha alma está apegada ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra”. Davi está prostrado até ao pó. Sua alma está humilhada ao extremo. Nessa prostração total, clama pela vivificação que vem por meio da palavra. É a palavra de Deus que restaura a alma!

EM SEGUNDO LUGAR, REAVIVAMENTO E PROTEÇÃO
(Sl 119.37). “Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho”. Nossos olhos podem nos atrair para armadilhas perigosas. Podem ser um laço para os nossos pés. Por isso, o salmista roga a Deus proteção da queda e ao mesmo tempo vivificação no caminho de Deus, o caminho da santidade.

EM TERCEIRO LUGAR, REAVIVAMENTO E ASPIRAÇÃO
(Sl 119.40). “Eis que tenho suspirado pelos teus preceitos; vivifica-me por tua justiça”. Quanto mais suspiramos pela palavra de Deus, mais somos cheios dela e mais vivificados seremos pela justiça divina. Quanto mais cheios da presença de Deus, mais desejamos Deus em nossa vida.

EM QUARTO LUGAR, REAVIVAMENTO E CONSOLO
(Sl 119.50). “O que me consola na minha angústia é isto: que a tua palavra me vivifica”. A vida com Deus é uma jornada por onde a angústia sempre nos espreita. Porém, nas noites mais escuras da alma, a palavra de Deus nos vivifica, nos consola e nos enche de verdor e frutos benditos.

EM QUINTO LUGAR, REAVIVAMENTO E OBEDIÊNCIA
(Sl 119.88). “Vivifica-me, segundo a tua misericórdia, e guardarei os teus testemunhos oriundos de tua boca”. Quando descemos aos vales escuros da vida ou tropeçamos em virtude de nossa fraqueza, precisamos da misericórdia de Deus e quando ele nos vivifica, então, renovamos o nosso compromisso de obediência à sua palavra.

EM SEXTO LUGAR, REAVIVAMENTO E AFLIÇÃO
(Sl 119.107). “Estou aflitíssimo; vivifica-me, Senhor, segundo a tua palavra”. A aflição é o cálice que bebemos enquanto caminhamos na estrada juncada de espinhos, entre o berço e a sepultura. Porém, nas horas que sorvemos esse cálice amargo, Deus nos vivifica segundo a sua palavra, apruma nossos joelhos trôpegos, fortalece as nossas mãos descaídas e nos restaura o vigor.

EM SÉTIMO LUGAR, REAVIVAMENTO E ORAÇÃO
(Sl 119.149). “Ouve, Senhor, a minha voz, segundo a tua bondade; vivifica-me, segundo os teus juízos”. Oração e palavra são os dois grandes instrumentos que nos levam à vivificação espiritual. Quando Deus ouve nosso clamor, então, sua palavra nos restaura. Pela oração falamos com Deus; pela palavra Deus fala conosco!

EM OITAVO LUGAR, REAVIVAMENTO E LIBERTAÇÃO
(Sl 119.154). “Defende a minha causa e liberta-me; vivifica-me, segundo a tua palavra”. Quando somos apanhados na rede da perseguição externa ou da aflição interna, precisamos de livramento e quando este chega, Deus nos vivifica pela sua palavra. Oh, bendito livramento! Deus não nos deixa expostos ao opróbrio dos nossos inimigos.

EM NOVO LUGAR, REAVIVAMENTO E MISERICÓRDIA
(Sl 119.156). “Muitas, Senhor, são as tuas misericórdias; vivifica-me segundo os teus juízos”. Por causa das muitas misericórdias de Deus não somos consumidos. Por elas, Deus não nos dá o juízo que merecemos. Por isso, ele nos ergue de nossa fraqueza e nos vivifica segundo os seus juízos.

EM DÉCIMO LUGAR, REAVIVAMENTO E AMOR À PALAVRA
(Sl 119.159). “Considera em como amo os teus preceitos; vivifica-me, ó Senhor, segundo a tua bondade”. O amor à palavra de Deus descortina diante de nós o caminho da bondade divina e nesse caminho está a gloriosa realidade do reavivamento e da vivificação espiritual.

É tempo de buscarmos ao Senhor e a sua palavra até que ele venha sobre nós, trazendo em suas asas, poderoso reavivamento espiritual! 

Facada de Valdemiro Santiago pode ter sido falsa – VÍDEO


O polêmico canal Zumbi Gospel, na tarde desta última quarta-feira, levantou a hipótese de que a facada que o apóstolo Valdemiro Santiago, líder da igreja Mundial do Poder de Deus pode ter sido falsa.

Na análise do Zumbi Gospel, a imagem em que Valdemiro Santiago aparece atrás do pastor no púlpito, logo após ser golpeado com duas facadas na costa, a camisa do religioso aparece limpa sem nenhuma marca de sague.
Outra dúvida levantada pelo canal, é que após o ataque o religioso teria levado 25 pontos no pescoço, no entanto quatro dias depois Valdemiro aparece em algumas fotos na página do facebook do Bispo França da igreja Mundial de Santa Catarina.
    No post publicado no dia 12 de janeiro, França escreve “Chegamos em Sampa!!!”, no dia seguinte e posta algumas fotos com o apóstolo Valdemiro Santiago e sua família com a seguinte legenda:  “Nossa quinta-feira foi assim, ao lado desses homens e mulheres de Deus que com toda humildade nos recebeu em sua casa e até cozinhou para nós.”, no entanto o que chamou a atenção do editor do vídeo Zumbi Gospel, é que nas fotos não aparece nenhuma marca no pescoço de Valdemiro.
    Realmente, nas fotos postadas quatro dias após as facadas não dá para ver nenhuma marca dos 25 pontos que o religioso tomou após o ataque.  “Aonde foi parar a facada do pescoço?”, pergunta no vídeo, sugerindo que o incidente pode ter sido armação.

    Veja o vídeo em que Valdemiro Santiago aparece 4 dias após os 25 pontos


    O que você acha disso? Teria coragem Valdemiro Santiago forjar o ataque apenas para ser destaque na imprensa? O Portal Padom, está à disposição da assessoria de Valdemiro ou da Igreja Mundial caso queiram se manifestar sobre o caso.

    Padre escandaliza Itália: fazia orgias com 9 mulheres

    Um escândalo sexual envolvendo um padre que promovia orgias chocou a cidade de Pádua, localizada na região do Vêneto, no norte da Itália. Don Andrea Contin, da igreja de San Lazzaro, teria feito sexo com várias mulheres da paróquia. Nas práticas, eram utilizados jogos, acessórios e fantasias.

    De acordo com fontes ligadas à investigação, ao menos nove mulheres teriam praticado atos sexuais com o sacerdote. Em depoimento, duas admitiram ter mantido relações com o padre, que está afastado de suas funções. Uma das 
    mulheres contou que o religioso chegou a sugerir que outros homens 
    participassem dos encontros, como orgia.O padre foi descoberto durante uma investigação de violência privada e favorecimento à prostituição. Isso porque 
    as duas mulheres, uma de 49 anos e outra de 51, contaram ter sido “vítimas” do sacerdote.
    De acordo com fontes ligadas à investigação, ao menos nove mulheres teriam praticado atos sexuais com o sacerdote. Em depoimento, duas admitiram ter 
    mantido relações com o padre, que está afastado de suas funções. Uma das
     mulheres contou que o religioso chegou a sugerir que outros homens 
    participassem dos encontros, como orgia.

    O padre foi descoberto durante uma investigação

     de violência privada e favorecimento à 

    prostituição. Isso porque as duas mulheres, 

    uma de 49 anos e outra de 51, contaram 

    ter sido “vítimas” do sacerdote.

     ANSA / Veja

    “Foi Deus quem ganhou o MasterChef, só fui usada”, diz Dayse Paparoto


    Quem vê Dayse Paparoto hoje percebe sua segurança e firmeza 
    no comando da cozinha.
    Aprendiz da escola de chefs tradicionais como Laurent Suaudeau, Salvatore Loi, Patrick Ferry, Marc Le Cornec e casas tradicionais 
    como o Fasano, profissionais conhecidos por serem linha dura e 
    sem papas na língua, ela não foi poupada por ser, muitas vezes, 
    a única mulher em meio a uma equipe inteiramente masculina.
    Daí veio sua excelência e domínio de todos os fundamentos 
    culinários, em meio à dureza, à competitividade e ao rigor das
     cozinhas profissionais, que deixou marcas de queimaduras e 
    cortes em suas mãos e braços.

    A vontade de trabalhar na cozinha veio do desejo de 
    independência, cultivado desde a infância. Seu pai tinha um 
    escritório de agrimensura e colocou a filha para ajudar desde
     os 9 anos de idade.
    “Sempre trabalhei com meu pai, comecei como office girl e 
    cheguei a projetar em Auto Cad”, diz Dayse. “Mas queria sair
     de perto da família e conhecer o mundo. Vi que tinha um curso de gastronomia que ficava há 4 horas de distância da minha 
    cidade e lá fui eu”, conta, quando se mudou de Mogi das 
    Cruzes para Águas de São Pedro para cursar gastronomia no Senac/Grande Hotel São Pedro.
    A distância da casa dos pais causou um deslumbramento na 
    menina que desde criança, era agitada e curiosa. Dedicada e 
    decidida a conseguir um estágio, passou a trabalhar no hotel 
    de forma voluntária, ficando das 8 às 22h00 trabalhando, 
    emendando estágio com a faculdade. “Passei por todas as 
    áreas do hotel, e fui escolhida a melhor entre 200 alunos”, 
    conta.
    O destaque rendeu sua escolha pelo chef Laurent Suaudeau
     para trabalhar em sua cozinha.
    “Ele detestava mulher na cozinha, passei por várias situações 
    difíceis. Então toda a dureza que meu pai me ensinou, de ser
     firme, independente da situação, é como se ele tivesse me 
    treinado para entrar nessa profissão”, reflete. Depois do chef 
    francês, passou pelo Fasano e pelo Due Cuochi, entre outros. Atualmente coordena a cozinha do Feed Food, no bairro de 
    Pinheiros, São Paulo.
    Dayse Paparoto na cozinha do MasterChef (Foto: Carlos Reinis/Band)
    Mas toda a independência levou a escolhas que levaram Dayse
     a uma vida desregrada. “Como estava me sentindo livre, eu ia
     para muitas festas e foi lá que passei a fazer muitas coisas 
    erradas e levei uma vida bem mundana, admite. Hoje ela recorda
     sobre a fase passada: “eu tentava preencher aquele vazio interior quando eu saía, ia para as baladas, relacionamentos etc. Tem
     uma hora que eu pensava: nossa, fiz tudo isso, amanhã vou ter
     que fazer tudo de novo para sentir uma alegria efêmera. Eu 
    chegava a indagar isso.  Mesmo assim, vi a mão de Deus que me protegeu em vários momentos”.
    Após terminar gastronomia, decidiu fazer o curso de Processos Gerenciais, passando a morar com uma amiga evangélica. Ali, 
    uma célula ocorria uma vez por semana, e aos poucos Dayse 
    foi sendo atraída para as reuniões de estudo bíblico e louvor.
    “No começo eu não participava, mas com o tempo comecei a 
    ficar nas reuniões. Até parei de sair no dia da semana da célula. Enquanto isso as pessoas oravam e jejuavam por mim e eu nem
     sabia!”, recorda.  “Eu não escondia minha vida mundana, fazia 
    questão de afrontar, uma vez cheguei a ir para o culto com roupas
     bem mundanas, assim para escandalizar mesmo. Fui super bem recebida, e Deus foi me quebrantando com tanto amor”.
    Dayse passou a frequentar os cultos da igreja e certa vez uma 
    pessoa apareceu e disse que Deus estava mandando levá-la à
     frente. “Acabei indo e chorei muito, fui chorando até em casa. 
    Daí eu disse para minha amiga: quero aceitar Jesus, mas no meu 
    quarto para ninguém ver”, diz. Ela conta que ainda passou por 
    uma fase de libertação, em que os irmãos da igreja entraram em
     batalha espiritual com contínuos louvor e oração, até que antigos 
    pactos fossem quebrados.
    Dayse conta que mudanças foram ocorrendo desde seu 
    comportamento, até atitudes e hábitos. “Fui transformada em 
    questões como orgulho, Deus trabalhou muito nisso. Eu era o 
    estereótipo da chef de cozinha – chata e arrogante. Na verdade, 
    eu reproduzia o comportamento dos chefs com que trabalhei”, 
    admite.
    Dayse recebe seu troféu (Foto: Carlos Reinis/Band)

    Nova vida

    Após a conversão, Dayse passou a testemunhar ativamente no
     trabalho, “teve um restaurante que eu passei em que todos se converteram. Eu falava, testemunhava, colocava louvor para todos ouvirem na cozinha, áudios da Bíblia”, conta.
    Certa vez, sua discipuladora profetizou que iria comprar um 
    apartamento. Até então, ela nunca imaginou que Deus iria usar 
    um programa de televisão para realizar seu sonho de quitar 
    apartamento e ter um carro novo.
    Questionada sobre como decidiu participar do reality, ela afirma 
    que no começo não queria. A dona do restaurante em que trabalha
     foi incentivando, amigos também falavam e tudo foi se confirmando depois, com a palavra de um pastor em um acampamento. 
    “Eu orava: Senhor, não sei até que fase posso chegar, mas sei 
    que só posso ir até onde você deixar. Então eu fiquei tranquila, 
    eu não sabia nem pedia para Deus ganhar. Eu sabia que Deus
     tinha algum plano, mas não tinha certeza que ganhar fazia parte
     desse propósito”, lembra.
    No altamente competitivo ambiente das gravações do reality a
     menina de Mogi das Cruzes destoava pela tranquilidade. Em 
    meio ao fogo cruzado e diante de profissionais com muito mais experiência, ela fazia questão de não participar das intrigas e partidarismos.
    “Foi Deus quem ganhou o programa, eu só fui usada. Em muitas ocasiões, vi Deus agindo de diversas formas, na injustiça, em ser desacreditada, ser mal falada, a cada prova eu ia sendo honrada 
    em meio a tudo que se colocava contra. Senti que havia uma 
    oposição muito grande, mas era espiritual. Eu não fazia parte das rodinhas de fofocas, das panelinhas e conchavos”, afirma. E faz 
    questão de ressaltar que nunca se fez de ‘coitada’. “Só no 
    episódio A Reunião eu falei um pouco de minha trajetória 
    profissional, pois até então ninguém tinha ideia.”
    Sobre ter seu próprio restaurante, Dayse é reticente. “Se eu
     tiver a oportunidade de abrir um restaurante com meu nome 
    e outra pessoa cuidar da parte administrativa, tudo bem”, e 
    completa: “quero ser o que Deus quer que eu seja”. Sonhos?
     Casar e ter filhos, ter uma família, como deixou bem claro 
    na final, quando disse que está à procura de um pretendente.
    Favorita e eleita queridinha pelo público, com mais de 90% da preferência, dona de uma autenticidade e carisma genuínos, 
    Dayse nunca quis participar de polêmicas – “não fico 
    respondendo, se quiser falar mal pode falar, eu sei quem eu 
    sou, se aconteceu tudo foi porque Deus estava no comando”, 
    atesta.
    Consagrada a melhor cozinheira profissional do País, ela finaliza 
    com um recado aos leitores do Gospel Prime: “Deus é real, e Ele 
    cumpre cada promessa, mesmo a gente não merecendo, sua 
    graça e misericórdia é infinita mesmo. Somos muito amados. Se
     Deus se preocupou em me ajudar em uma torta de limão, Ele 
    não vai ajudar cada um com qualquer outra questão? Ele pode
     todas as coisas”.

    Ciência comprova o dia e a hora que “o sol parou”, como diz a Bíblia

    Já passou a época em que se acreditava que a fé e a ciência não podiam caminhar juntas. Esse equívoco ultrapassado começou a ganhar cada vez mais força, conforme a tecnologia humana foi avançando e descobertas que até então esperava-se banir as religiões, serviram mesmo para fundamentar e dar ainda mais autoridade ao que a Bíblia, por exemplo, afirma há milhares de anos. Dessa vez, três cientistas israelenses descobriram que o relato bíblico de que “o sol parou”, de fato, aconteceu.
    Com base em nados obtidos da NASA, cientistas da Universidade Ben-Gurion do Neguev, em Berbesá, Israel, descobriram não apenas que o relato bíblico descrito em Josué 10:12-14 realmente aconteceu, como também o dia e a hora exatos do fenômeno. Veja o trecho bíblico:
    “No dia em que o Senhor entregou os amorreus aos israelitas, Josué exclamou ao Senhor, na presença de Israel: ‘Sol, pare sobre Gibeom! E você, ó Lua, sobre o vale de Aijalom!’ O Sol parou, e a Lua se deteve, até a nação vingar-se dos seus inimigos, como está escrito no Livro de Jasar. O Sol parou no meio do céu e por quase um dia inteiro não se pôs”. 
    Um local associado com o Gilgal bíblico, perto de Jericó (RGrobman/Wikipedia)
    A equipe de cientistas, chefiada por pelo Dr. Hezi Yitzhak, afirmou que o acontecimento se trata de um eclipse, e ele aconteceu exatamente em 30 de outubro de 1207 antes de Cristo, às 16:28 horas da tarde. Com base nos dados obtidos, eles descobriram que apenas um eclipse aconteceu entre os anos 1500 e 1000 a.C, o que coincide com a chegada dos israelitas no local onde ocorreu a batalhe descrita na bíblia.

    Se o sol parou, não deveria haver luz?

    Um pequeno detalhe na tradução do texto bíblico tem confundido os leitores, o que rendeu algumas dúvidas e críticas sobre a descoberta, já que no eclipse a lua bloqueia a luz do sol, trata-se do termo “o sol parou”, ou “se deteve” (depende da tradução). Segundo os cientistas, no texto original a palavra equivalente seria “dowm”, cujo sentido correto é “tornar-se escuro”.
    Ou seja, segundo o estudo publicado em uma edição da Beit MikraRevista para o Estudo da Bíblia e seu Mundo, o relato bíblico não se refere a um dia iluminado, mas sim escuro. Se essa compreensão for a correta, significa então que os israelitas venceram a batalha favorecidos pela escuridão e não pela claridade do sol.

    https://noticias.gospelmais.com.br/ciencia-comprova-o-dia-e-hora-que-o-sol-parou-como-diz-biblia87881.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+gospelmais+%28Gospel%2B+%7C+Not%C3%ADcias%29

    sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

    Presos interrompem rebelião em presídio do RN para culto evangélico

    Presos fizeram culto na manhã desta sexta (20) dentro de Alcaçuz (Foto: Magnus Nascimento)Presos fizeram culto na manhã desta sexta (20) dentro de Alcaçuz (Foto: Magnus Nascimento)
    Parte dos presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte,  interromperam a rebelião que acontece desde sábado (14) para a realização de um culto evangélico nesta sexta (20). Os detentos entoaram músicas religiosas e fizeram orações.
    Além de um violão, os presos contavam com caixa de som, microfones, cadeiras de plástico e até um púlpito para a celebração religiosa.
    Apesar da pausa para o culto, o clima continua tenso na unidade prisional. Desde sábado, pelo menos 26 presos já morreram na rebelião. Na manhã desta sexta os presos continuavam soltos pelos pavilhões e pelos pátios do presídio. Também era possível ver detentos sobre os telhados da unidade.
    O ministro da Defesa, Raul Jungmann, está em Natal e disse que o governo federal não vai "admitir descontrole". Militares das Forças Armadas estão na capital potiguar para garantir a segurança nas ruas.
    Também nesta sexta (20), cinco presos do PCC se negaram a sair de Alcaçuz para progressão do regime fechado para o semiaberto. Outros onze detentos foram levados de Alcaçuz para o Complexo Penal João Chaves, onde deverão cumprir o semiaberto. Nesta situação, eles passam o dia fora da unidade e só voltam para dormir. Um outro preso saiu pela porta da frente de Alcaçuz em cumprimento a um alvará de soltura.
    Nesta quinta-feira (19), houve novo confronto entre os presos. A PM diz que há mais mortos, mas ainda não sabe quantos.
    Onze presos deixaram a Penitenciária nesta sexta em cumprimento a ordens judiciais de progressão do regime fechado para o semiaberto. Um preso saiu por força de um alvará de soltura e outros cinco - membros do PCC - se negaram a deixar a unidade, apesar de terem direito a progressão de regime.
    Transferências
    Mais de 200 presos já foram transferidos de Alcaçuz desde o último sábado (14).
    Na segunda-feira (16), cinco presos foram retirados de Alcaçuz. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, entre eles estão os chefes do PCC, facção que promoveu a matança de presos entre o sábado (14) e o domingo (15) dentro da unidade. Os presos transferidos foram Paulo da Silva Santos, João Francisco do Santos, José Cândido Prado, Paulo Márcio Rodrigues de Araújo e Thiago Souza Soares.
    19/01 - Presos são vistos durante um confronto de facções na penitenciária de Alcaçuz, perto de Natal, no Rio Grande do Norte (Foto: Andressa Anholete/AFP)Presos se confrontam em Alcaçuz (Foto: Andressa Anholete/AFP)

    quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

    Como conviver com o Criador

    Resultado de imagem para imagens do criador



    Gênesis 1:27 - E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. 

    A preocupação das ciências é a de descrever como o universo foi feito. O objetivo da Bíblia é o de nos apresentar ao Autor do universo. E, também, Seu plano de viver em comunhão com os seres feitos à semelhança Dele. 


    É isso que o livro de Gênesis nos ensina: “Assim, Deus criou os seres humanos: Ele os criou parecidos com Deus. Ele os criou homem e mulher” (Gênesis 1:27).

    O livro de Gênesis, bem como o restante da Bíblia, não tem a intenção de nos explicar as coisas de acordo com a lógica humana. Mais até do que “parecidos” com Ele, o livro de Efésios explicita o objetivo do Criador: foi o de criar “filhos” Dele, usando a capacidade espiritualmente transformadora de Cristo, Seu Filho unigênito. 


    A vida eterna, revelada em Apocalipse 21, foi programada em Cristo, desde antes da criação do mundo (Efésios 1:4).

    Deus nos criou para vivermos em comunhão com Ele, por toda a eternidade. Pregando sobre este tema, Jesus nos diz como começar, já aqui na Terra, o tipo de vida chamada eterna. Disse Jesus: “e a vida eterna é esta: que conheçam a Ti como único Deus verdadeiro e conheçam a Jesus Cristo, que enviaste ao mundo” (João 17:3).


     Mais do que descrever cientificamente o nosso Deus, nosso privilégio é o de ter comunhão com Ele, desde já, pela fé no Seu Filho Jesus Cristo.